1ª Prova Resistência da Serra da Arrábida 2019

Passeios Anuais

Desafio Superado !

O Clube Realizou no dia 24 Novembro 2019, um projecto adiado à muito.

A 1º resistência da Arrábida decorreu na zona do Parque do Alambre, inserido no Parque Natural da Arrábida.

O traçado equilibrado com zonas muito rápidas e trilhos de BTT “puro e duro” temperado com duas subidas, ainda que curtas, mostraram que pedalar na serra é sempre difícil.

Os atletas presentes, um grupo muito heterogéneo, composto por verdadeiros “campeões “ e utilizadores de fim de semana e até um ou outro curioso que comprou uma Byke na semana anterior.

As reacções positivas ( “ vocês estão no bom caminho “) foram um incentivo para continuar… e vamos continuar sempre com o respeito irredutível pelo Espaço Arrábida, com a vontade de mostrar os trilhos da nossa Serra.

O Clube superou-se na capacidade de realização e está de Parabéns pelo Aniversário e pelo sucesso do evento!

Até para o Ano.

Vencedores 2019

RESCALDO por Joaquim Figueiredo.
Uma agradável surpresa, foi o que nos esperou esta 1ª Resistência do clube BTT Azeitão.
Para comemorar os treze anos de existência deste clube de BTT da Vila de Azeitão, foi organizada uma prova de resistência pelos trilhos da Arrábida.
Os elementos da organização pensaram num formato de prova um pouco diferente dos moldes habituais das resistências, que por norma são de 2 ou 3 horas, tornando-se assim uma prova mais parecida com uma prova de XCO, no entanto todos aqueles que participaram mostravam contentamento nos seus rostos.
Quem é desta zona sabe as dificuldades que é organizar uma prova na Arrábida, as limitações são imensas, não só por ser um parque natural protegido mas também porque existem muitas propriedades privadas e assim sendo para se conseguir fazer uma prova de btt na Arrábida fica-se limitado a muito pouco espaço, no entanto a organização conseguiu fazer um circuito muito engraçado com pura diversão e dureza qb.
Estradões e singles tracks com alguma exigência técnica fizeram a delicia de todos, onde as duas subidas íngremes e extensas que havia no percurso foram a maior dificuldade em se ultrapassar e que prefizeram os quase 700 D+ de áltimetria.
Marcações exemplares, apenas um reparo, na área de meta por onde se passava para controle das voltas o corredor de entrada não estava muito bem limitado com as fitas o que provocou alguma confusão, eu próprio passei quase sempre ao lado do corredor, mas tratasse de um pormenor para afinar no futuro, quanto ao resto tudo 5 estrelas, muito controle ao longo da prova com vários elementos da organização a controlar as passagens de todos os participantes em locais muito estratégicos e para evitar atalhos.
Banhos com água quente, sempre reconfortante após o esforço.
O almoço foi servido na Quinta do Peru, onde foi feita uma recepção com um magnifico moscatel de Setúbal e de seguida uma bela sopa de carne, e um excelente cozido à portuguesa fizeram repor, e de que maneira, as calorias perdidas horas antes. Vinho tinto, refrigerantes e aguas acompanharam a refeição. Para sobremesas uma mesa cheia de docaria, várias tortas, pão de rala e como não podia falta o bolo de aniversário dos 13 anos do Clube BTT Azeitão que estava divinal. Como digestivo mais um moscatel e café.
Pena foi não ter havido mais participantes pois não sabem o que perderam, em resumo, uma prova bem organizada, um almoço espectacular, um convívio do melhor e mais uma para repetir apesar de ser à porta de casa.
Resta-me agradecer e dar os parabéns a todos os companheiros do BTT Azeitão e que para o ano voltem a fazer esta prova, e que tenham mais participantes porque alem deles merecerem, esta região onde se pratica tanto btt, também merece ter um evento deste tipo. 
 
A minha prestação:
Estas ultimas semanas abrandei mais os treinos para descansar o corpinho e ganhar vontade para a próxima época como tal a condição física já foi um bocadinho abaixo, no entanto esta prova serviu também como treino e matar o bichinho.
Não havia escalões de idade e lutar por um lugar cimeiro à geral é coisa muito difícil quando se tem pela frente rapaziada com 20 anos e ciclistas “profissionais” de estrada e outros que não o sendo têm menos 30 anos que eu, mas como nunca deitei a toalha ao chão também não era nesta que o ía fazer, portanto do principio ao fim foi sempre a enrolar o punho.
No fim deu para alcançar o 7º lugar à geral. – Classificações
 



Comentários



Adicionar Comentário